E se os campos magnéticos da terra se invertessem agora?

9

O campo magnético circunda nosso Planeta como um campo de força invisível – protegendo a vida da radiação solar nociva e desviando partículas carregadas, porém ele pode mudar a qualquer momento.

Esse campo está em constante mudança, na verdade, a história do nosso Planeta inclui pelo menos várias centenas de inversões magnéticas globais, quando os polos magnéticos norte e sul trocam de lugar. Então, quando isso poderá acontecer? Como afetará a vida na Terra?

Durante uma inversão o campo magnético não acabará, mas assumirá uma forma mais fraca e mais complexa. Pode cair até 10% da força atual e haver polos magnéticos no Equador ou até mesmo múltiplos polos magnéticos “norte” e “sul”. As reversões geomagnéticas ocorrem algumas vezes a cada milhão de anos em média. No entanto, o intervalo entre as reversões é muito irregular e pode variar até dezenas de milhões de anos.

Também pode haver reversões temporárias e incompletas, conhecidas como eventos e excursões, nas quais os polos magnéticos se afastam dos polos geográficos – talvez até mesmo cruzando o Equador – antes de retornarem aos seus locais originais. A última inversão total, o Brunhes-Matuyama, ocorreu há cerca de 780.000 anos. Uma reversão temporária, o evento Laschamp, ocorreu há cerca de 41 mil anos. Durou menos de 1.000 anos com a mudança real da polaridade que durando cerca de 250 anos.

 

Corte de energia ou extinção em massa?

A alteração no campo magnético durante uma reversão enfraquecerá seu efeito de blindagem, permitindo níveis elevados de radiação na Terra. Se isso acontecesse hoje, o aumento das partículas carregadas que chegam à Terra resultaria em maiores riscos para satélites, aviação e infraestrutura elétrica terrestre. As tempestades geomagnéticas impulsionadas pela interação de erupções anormalmente grandes de energia solar com nosso campo magnético nos dão um aperitivo do que podemos esperar de um escudo magnético enfraquecido.

Em 2003, a chamada tempestade de Halloween causou apagões locais da rede de electricidade na Suécia, exigiu o reencaminhamento dos voos para evitar o apagão de comunicações e o risco de radiação e perturbou os satélites. Mas essa tempestade foi menor em comparação com outras do passado recente, como o evento Carrington de 1859, que causou auroras no Caribe. O impacto na infraestrutura eletrônica de hoje não é totalmente conhecido. Claro que qualquer tempo gasto sem eletricidade, aquecimento, ar-condicionado, GPS ou internet teria um grande impacto. Os apagões generalizados podem resultar em uma interrupção econômica em dezenas de bilhões de dólares por dia.

Em termos de vida na Terra e impacto direto de uma reversão em nossa espécie, não podemos prever definitivamente o que acontecerá com os humanos modernos, pois não existíamos no momento da última reversão total. Vários estudos têm tentado ligar inversões passadas com extinções em massa – sugerindo que algumas reversões e episódios de vulcanismo estendido possam ser impulsionados por uma causa comum. No entanto, não há evidências de qualquer cataclismo iminente e, portanto, só teríamos provavelmente de lidar com o impacto eletromagnético se o campo se reverter em breve.

 

Sabemos que muitas espécies animais têm alguma forma de recepção magnética que lhes permite sentir o campo magnético da Terra. Eles podem usar isso para auxiliar na navegação de longa distância durante a migração. Mas não está claro que impacto uma reversão pode ter sobre essas espécies. O que está claro é que os primeiros humanos conseguiram sobreviver ao evento Laschamp e a própria vida sobreviveu às centenas de reversões completas evidenciadas no registro geológico.

 

Podemos prever inversões geomagnéticas?

O simples fato de estarmos “atrasados” para uma inversão total e o fato de o campo da Terra estar atualmente diminuindo a uma taxa de 5% por século, sugere que o campo pode inverter nos próximos 2.000 anos. Mas fixar uma data exata, pelo menos por enquanto, será difícil.

O campo magnético da Terra é gerado dentro do núcleo líquido do nosso planeta, pelo lento agitar do ferro fundido. Como a atmosfera e os oceanos, a maneira como ele se move é governada pelas leis da física. Devemos, portanto, ser capazes de prever o “tempo do núcleo” por rastrear este movimento, assim como podemos prever o tempo real, observando a atmosfera e o oceano. Uma inversão pode ser comparada a um tipo particular de tempestade no núcleo, onde a dinâmica – e o campo magnético – ficam mal (pelo menos por um curto período de tempo), antes de se estabelecerem novamente.

As dificuldades de prever o clima para além de alguns dias são amplamente conhecidas, apesar de estarmos observando a atmosfera diretamente. No entanto, a previsão do núcleo da Terra é uma perspectiva muito mais difícil, principalmente por que ele está enterrado abaixo de 3.000 km de rocha, de modo que nossas observações são escassas e indiretas. No entanto, não estamos completamente cegos: sabemos a composição principal do material do núcleo e que ele é líquido. Uma rede global de observatórios terrestres e satélites em órbita também mede como o campo magnético está mudando, o que nos dá uma visão de como o núcleo líquido está se movendo.

A recente descoberta de uma corrente de jato dentro do núcleo destaca nossa engenharia evolutiva e crescente capacidade de medir e inferir a dinâmica do núcleo. Juntamente com simulações numéricas e experiências de laboratório para estudar a dinâmica de fluidos do interior do planeta, nossa compreensão está se desenvolvendo a um ritmo rápido. A perspectiva de ser capaz de prever o núcleo da Terra talvez não esteja muito longe.

[ IFL Science ] [ Fotos: Reprodução / IFL Science ]

Comentários

comentários

COMPARTILHAR
Kleber Pereira

Cara simples, que vive a vida dia após dia aprendendo tudo o que pode sobre todas as coisas possíveis! Curiosidades são uma das minhas maiores paixões, junto com meu filho e pudim de leite.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA